quinta-feira, 5 de março de 2009

Colesterol: Fatores de Risco



Descubra que fatores e condições de saúde e podem aumentar o seu colesterol.


Estatisticamente, você tem uma chance em cinco de ter colesterol alto neste exato momento. Se o seu nível de colesterol total é superior a 200 mg/dL, o nível de lipoproteínas de baixa densidade (low-density lipoprotein ou LDL) é maior do que de 100 mg/dL, o de lipoproteínas de alta densidade (High-density lipoprotein ou HDL) é inferior a 40 mg/dL e/ou os triglicerídeos são inferiores a 150 mg/dL, você corre o risco de ter uma doença coronariana, parada cardíaca, derrame cerebral e outros problemas que todos nós preferimos evitar.



Continue a leitura e veja quais outros fatores afetam o colesterol, de acordo com a National Institutes of Health e American Heart Association dos EUA. Ainda assim, o mais importante é conversar sobre o seu risco com o seu médico.


Fatores que podem AUMENTAR o seu colesterol

Fatores que podem DIMINUIR o seu colesterol


Ter um dos pais ou irmãos com colesterol alto
Exercitar-se vigorosamente com frequência
Ser homem com mais de 45 anos
Caminhar 30 minutos ou mais pelo menos 3 vezes por semana.
Ser mulher com mais de 55 anos
Seguir uma dieta com baixo teor de gordura
Ter pressão sanguínea 140-90 mm/Hg ou superior
Consumir pouca gordura saturada (encontrada em produtos como carne vermelha e de porco, além de leite e derivados com alto teor de gordura)
Ter diabetes ou pré-diabetes (dosagem de glicose entre 100 e 125 mg/dl
Consumir alimentos com pouco de colesterol
Fumar
Seguir uma dieta rica em fibras (encontradas em alimentos como grãos integrais, legumes frutas e verduras)
Apresentar IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 25
Optar por gorduras saudáveis (encontradas em óleos - como o de oliva, canola e girassol –, abacate, nozes e sementes, como a de linhaça.
Tomar 2 ou mais bebidas alcoólicas por dia
Incluir nas refeições 2 porções de peixe gordo por semana (exemplos: atum salmão, cavala, truta e sardinha)
Estar exposto a alto nível de stress
Limitar a quantidade de gordura trans na dieta (encontrada em itens com óleos parcialmente hidrogenados, como massas de tortas e biscoitos)
Fonte:

Todos os truques para abaixar o colesterol
Pequenas mudanças nos hábitos alimentares revertem o aumento das taxas
Ele é como uma faca de dois gumes: é essencial na produção hormonal, mas, em excesso, se transforma em risco à saúde. Certamente você já deve ter sido alertado sobre os perigos de não controlar as taxas de colesterol, esse, muitas vezes, incompreendido. (Entenda mais sobre o colesterol).
O cardiologista e nutrólogo do Hospital do Coração, Daniel Magnoni, explica que, quando os níveis estão acima do indicado, as frações da gordura ficam mais disponíveis na circulação. Entre estas frações, encontra-se o LDL, considerado como colesterol ruim.
Ele se deposita na parede interna das artérias e inicia o processo de acúmulo de gorduras, levando ao entupimento das veias.

Os excessos podem ser gerados por duas razões: fatores genéticos ou hábitos alimentares errados. O que acontece é que cerca de 70% do colesterol produzido vem do fígado.
Ambos os casos podem ser revertidos com alguns acertos no menu diário.
Daniel explica que, quando as calorias da dieta são ultrapassadas, o organismo passa a armazená-las para um eventual período de falta. Esse armazenamento é feito em forma de colesterol
Se você detectou que suas taxas de colesterol estão acima do recomendado, ou ainda, se quer evitar o aumento perigoso à saúde do coração, alguns truques precisam ser colocados em ação.
Troque as versões integrais pelas desnatadas A recomendação está relacionada aos alimentos de origem animal, devido à grande quantidade de gordura saturada que apresentam. Na lista dos campeões neste tipo de gordura estão queijos amarelos, leite integral, carnes gordas e pele de aves como frango. (Aprenda a diferenciar os tipos de gordura).
De acordo com a responsável pela equipe nutricional do Minha Vida, Roberta Stella, a melhor opção para controlar os níveis da gordura é trocar os queijos amarelos pelos brancos, o leite e seus derivados pelas versões desnatadas, e as carnes gordas pelas magras. Hoje em dia, já é possível encontrar nas prateleiras iogurtes com 0% de gordura , lembra. (Monte um banquete de nutrientes no café-da-manhã).
O que isso tem a ver com as taxas de colesterol? Tais alimentos estão relacionados com o aumento das taxas de colesterol ruim, o LDL. E assim como a gordura saturada, o colesterol também está presente nos alimentos de origem animal. Seria como matar dois coelhos numa cajadada só. Além dos alimentos listados acima, é importante evitar o consumo de manteiga, gema de ovo e banha de porco , ressalta Roberta. Atente também às preparações que contam com tais ingredientes, como bolos e tortas.
Maneire nas carnesO alerta é redobrado aos bifes de carne vermelha porque eles são os que apresentam uma quantidade maior de colesterol, especialmente cortes que levam mais gordura. Porém, isso não significa que elas devem ser totalmente excluídas do menu.

Controlando a ingestão dos outros alimentos fontes de colesterol, é possível ingerir carne vermelha até três vezes por semana , tranqüiliza a especialista
O fato de as carnes vermelhas oferecerem mais colesterol, no entanto, não faz com que os outros tipos de carnes possam ser consumidos à vontade. De acordo com Roberta, as carnes brancas e magras também possuem colesterol e, por isso, devem ser dosadas. Os alimentos que contêm colesterol devem ser monitorados de uma forma geral. Leve em conta que o total da gordura obtido em um dia deve ser menor que 300 mg , completa.
Retirar a gordura visível das carnes é mais um conselho da nutricionista do Minha Vida para ficar de olho no colesterol colocado no prato. Isso faz com que a quantidade de colesterol se reduza. Cem gramas de contra-filé grelhado com gordura contêm 144 mg de colesterol. Sem a gordura, a quantidade diminui para 102 mg , exemplifica. Quando optar por carnes brancas como frango, retire a pele. Cem gramas de peito de frango com pele contêm 80 mg de colesterol. Sem a pele, o valor passa a ser 59 mg , compara a nutri. (Faça substituições inteligentes)
Controle a ingestão de biscoitos recheadosVocê deve ficar de olho não só nas bolachas doces, mas em todos os produtos que levam gordura trans em sua composição. A indústria alimentícia utiliza a gordura hidrogenada na preparação de alguns produtos. A gordura hidrogenada, por sua vez, apresenta gordura trans , diz a nutricionista. O perigo do ingrediente é o mesmo que o da gordura saturada. Ou seja, ela influencia no aumento das taxas de LDL.
Na hora das compras, verifique a porcentagem de valor diário (%VD) no rótulo dos alimentos. Valores de %VD acima de 20 são considerados altos. Opte por aqueles que apresentam números inferiores de gorduras saturadas, trans e colesterol , dá a dica a especialista. (5 deslizes que põem sua saúde em risco).
Lance mão dos óleos vegetais Na luta para abaixar os níveis de colesterol, em vez de apenas restringir o consumo dos vilões, você pode recorrer à ajuda de alguns mocinhos. O óleo de canola e o azeite de oliva são bons exemplos de alimentos que você deve incluir na dieta. Segundo Roberta, as gorduras monoinsaturadas presentes nos dois tipos de óleos vegetais ajudam a reduzir as taxas de LDL, colesterol maléfico
Já os óleos vegetais ricos em gorduras poliinsaturadas, como o de soja, girassol e milho, aumentam os níveis de HDL, considerado como bom colesterol. A dica da especialista, portanto, é, além de ficar de olho na quantidade de gorduras saturadas e trans, dar preferência aos alimentos com maior quantidade de gorduras mono e poliinsaturadas. Outras opções de alimentos ricos nas gorduras que somam pontos positivos na luta contra as taxas de colesterol são os peixes. (Peixes promovem uma onda de boa saúde).
Corte as frituras da sua rotina alimentar Roberta explica que, apesar do que se pensa, os alimentos fritos não influenciam diretamente no aumento de colesterol, a não ser que tenham sido produzidos com gordura de origem animal, como banha de porco. Porém, quando superaquecidos, os óleos sofrem mudanças nas estruturas das moléculas. Assim, o efeito que eles possuem de aumentar o HDL fica neutralizado , esclarece a especialista do Minha Vida. Mesmo quando preparadas em óleos vegetais, as frituras não são aconselháveis para quem quer controlar os níveis de colesterol sanguíneo. (Veja todos os benefícios de tirar as frituras e pôr os grelhados no prato).
Além deste fator apontado por Roberta, ela lembra que o superaquecimento e reaproveitamento dos óleos formam substâncias que modificam o cheiro e a textura deles. A acroleína, por exemplo, é uma substância que irrita a mucosa intestinal , cita ela. Prefira sempre os assados e cozidos, mas não esqueça de dar atenção também ao tipo de alimento ingerido , completa
Pratique exercícios físicos Os exercícios também entram em ação na luta contra o colesterol elevado. O especialista do HCor esclarece que, ao suar a camisa, você utiliza suas reservas energéticas, ajudando na diminuição de gordura corporal e, conseqüentemente, na baixa do colesterol sanguíneo. (Siga o nosso roteiro e ganhe motivação para malhar).
Pratique exercícios físicos Os exercícios também entram em ação na luta contra o colesterol elevado. O especialista do HCor esclarece que, ao suar a camisa, você utiliza suas reservas energéticas, ajudando na diminuição de gordura corporal e, conseqüentemente, na baixa do colesterol sanguíneo. (Siga o nosso roteiro e ganhe motivação para malhar).

2 comentários:

M. Céu Fernandes disse...

Olá.
Que belas dicas! Obrigada.
Bjs e bom fim de semana,
M. Céu

nick@ disse...

Oi
A minha mãe também tem colestrol, ela tem mais que 55 anos, ela caminha por volta de 40 min todos os dias e não come ovos nem nada com gurdura. Também tem pressão arterial alta e a única coisas que está a fazer mal na dieta é o café mas se não tiver algo que ela gosta também não é viver =)
Passei para dizer, deixar e desejar:
Beijos grandes, bom fim de semana e bom dia da mulher