segunda-feira, 13 de julho de 2009

Dicas III

Para emagrecer, é preciso comer
Isso porque, quando o organismo fica muito tempo sem comida, começa a reter gordura, como um mecanismo de defesa. Para ficar com o corpo em forma, sem prejudicar a saúde, o certo é comer de três em três horas, dividindo as calorias que se pode consumir em frações. Entre as refeições principais - café da manhã, almoço e jantar -, o ideal é vigiar o relógio para ingerir nem que seja uma fruta ou um pedaço de queijo nos intervalos.

“O órgão que comanda tudo é o cérebro, e este não consegue usar a energia de algo que foi ingerido há mais de três horas”, explica a nutricionista Denise Madi Carreiro, autora de “Alimentação, Problema e Solução para Doenças Crônicas”. Quando as refeições ficam muito espaçadas, o cérebro começa a alterar funções e libera cortisol, o chamado hormônio do estresse. Aumenta, assim, a resistência à insulina e uma das conseqüências é a retenção de gordura como um mecanismo de sobrevivência. Outro resultado do jejum prolongado é que o organismo começa a consumir proteínas, essenciais para equilibrar os sistemas mental e emocional. Segundo a nutricionista, esta e outras alterações do metabolismo podem causar problemas como ansiedade, insônia, gases, intestino preso, episódios repetidos de candidíase (doença ginecológica provocada por fungo) e queda do sistema imunológico. As alterações hormonais podem incluir até a interrupção da menstruação.

Nas “dietas de fome”, a pessoa emagrece no começo porque perde líquido ou as proteínas, mas não gordura. “Se ficar sem comer resolvesse, a obesidade não seria o principal problema de saúde pública do mundo”, afirma Denise. “Para perder gordura, é preciso comer.” O contrário também é verdadeiro: aqueles que procuram seu consultório porque querem engordar conseguem atingir a meta quando se reeducam, comendo porções fracionadas de três em três horas. A diferença é que, para os que querem ficar magros, o cardápio tem obviamente menos calorias, e para quem quer engordar, é supercalórico. Mas sempre fracionado, em cinco ou seis refeições diárias.

A nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Luciana de Carvalho, faz coro. “Quanto mais fracionada for a alimentação, mais o organismo trabalha. Quanto mais se fica em jejum, menos ele trabalha e faz uma reserva para se garantir”, resume. “Fracionamos as refeições para aumentar o metabolismo.” Mais: quando a pessoa fica sem comer por muito tempo, a tendência é “atacar” a refeição, geralmente à noite, quando já não é preciso absorver tanta energia porque o destino costuma ser a cama.

Isso não quer dizer que se deva ingerir porções imensas: nos intervalos entre as refeições principais, recomenda-se comer uma fruta, iogurte ou um pedaço de queijo - um único alimento de qualidade já serve para estimular o metabolismo.
Fonte

Um comentário:

Brecho Juci disse...

Oi ,

Passei pra divulgar o Brecho Juci e avisar que postamos coisas novas.
Mp10 de 8gb, celular lg, Casaco adidas, e muito mais!

Passa lá para conferir:

http://brechojuci.blogspot.com/

Beijos
Ju e Cí